Acessibilidade dos sítios de grupos da Tradição Tupiguarani na Chapada do Araripe-PE

O uso das ferramentas SIG no estudo da mobilidade pré-histórica

  • Alencar de Miranda Amaral Universidade Federal do Vale do São Francisco
  • Gregoire van Havre Universidade Federal do Piauí

Resumo

A Arqueologia espacial passou por expressivos desenvolvimentos teóricos e metodológicos nos últimos trinta anos,  perquirindo novas problemáticas, sobretudo com a aplicação de tecnologias como os SIG (Sistema de Informação Geográfica), cujas ferramentas ainda são pouco exploradas nas investigações sobre a mobilidade pretérita. Estudos têm demonstrado a sua relevância na análise do contexto ambiental para a circulação humana. Neste trabalho, buscamos calcular dados vetoriais a partir de um Modelo Digital de Elevação e analisar mapas de acessibilidade entre 21 sítios de grupos da tradição ceramistaTupiguarani alocados em Araripina – PE, na Chapada do Araripe. As configurações da acessibilidade dos sítios indicam um contexto diferente na área fluvial e na área da chapada.

Referências

ALBUQUERQUE, M. 1983/1984. “Horticultores pré-históricos do Nordeste.” Arquivos do Museu de História Natural, vol. 8/9, 131-134
ALBUQUERQUE, M. 1991. “Ocupação Tupiguarani no Estado de Pernambuco”. CLIO – Série Arqueológica n. 4, 115-116.
ÁLVAREZ, P. F; OUBIÑA, C. P. 2007.“Proposals for an archaeological analysis of pathways and movement”. Archeologia e Calcolatori, n.18, 121-140.
AMARAL, A. de M. 2015. “Andanças” Tupiguarani na Chapada do Araripe: análises das correlações entre mobilidade humana, tecnologia cerâmica e recursos ambientais. Tese (doutorado em Arqueologia). Universidade Federal de Pernambuco, Recife.
ARAÚJO, S. M. S. de. 2004. O Pólo Gesseiro do Araripe: unidades geo-ambientais e impactos da mineração. Tese (doutorado em Geociências). Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Geociências, Campinas.
ASSINE, M. L. 1990. Sedimentação e tectônica da Bacia do Araripe. Dissertação (mestrado em Geociências), Instituto de Geociências e Ciências Exatas - UNESP, Rio Claro.
BARRETO, A. M. F. 1996. Interpretação paleoambiental do sistema de dunas fixadas do médio Rio São Francisco, Bahia. Tese (Doutorado Geociências), Instituto de Geociências/USP, São Paulo.
BARRETO, A. M. F. et al. 2002. Campo de Dunas Inativas do Médio Rio São Francisco, BA: Marcante registro de ambiente desértico do Quaternário brasileiro In: SCHOBBENHAUS,C. et al (ed.) Sítios Geológicos e Paleontológicos do Brasil. DNPM/CPRM - Comissão Brasileira de Sítios Geológicos e Paleobiológicos (SIGEP), Brasília, p.223-231.
BELL, T; LOCK, G. 2000. “Topographic and cultural influences on walking the Ridgeway in later prehistoric times” In: G. LOCK (Ed.). Beyond the Map: Archaeology and spatial Technologies. Amsterdam: IOS Press, 85-100.
BROCHADO, J. P. 1984. An ecological model of the pread of pottery and agriculture into Eastern South America. Tese de Doutorado, University of Illinois, Urbana, EUA.
CODEVASF. 2007. Apoio técnico e institucional para o desenvolvimento do programa florestal da Chapada do Araripe em Pernambuco: Diagnóstico. Codevasf.
COOPER, J. 2010. “ Modelling mobility and exchange in Pre-Columbian Cuba: GIS led approaches to identifying pathways and reconstructing journeys from the archaeological Record”. Journal of Caribbean Archaeology, n. 3, 122-137
CORRÊA, Â. A. 2009. Tetama nas matas mineiras: sítios Tupi na microregião de Juiz de Fora. Dissertação de Mestrado, Museu de Arqueologia e Etnologia – MAE, Universidade de São Paulo, São Paulo.
FONTE, J. M. M. 2009. Aplicações dos Sistemas de Informação Geográfica (SIG) à gestão dos recursos patrimoniais: o caminho primitivo de Santiago. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Letras, Universidade do Porto, Porto.
GAFFNEY, V. & STANCIC, Z. 1991. GIS approaches to regional analysis: A case study of the island of Hvar, Yugoslavia: Znanstveni institut Filozofske fakultete, University of Ljubijana.
GRASS Development Team. 2012. Geographic Resources Analysis Support System (GRASS) Software. Open Source Geospatial Foundation Project. Disponível em http://grass.osgeo.org [Último acesso em 15/05/2017].
HODDER, I; ORTON, C. 1990. Análisis Espacial en Arqueología. Barcelona: Ed. Crítica.
HARRIS, T. 2000. “Moving GIS: exploring movement within prehistoric cultural landscapes using GIS” In: G. LOCK (Ed.). Beyond the Map: Archaeology and spatial Technologies. Amsterdam: IOS Press, 116-123.
KLAMT, S. C. 2004. Uma contribuição para o sistema de assentamento de um grupo horticultor da tradição cerâmica Tupiguarani. 2004. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em História, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.
KELLY, R. L. 1992. “Mobility/sedentism: concepts, Archaeological measures, and effects”. Annu. Rev. Anthropol.. vol.21, 43-66.
LATHRAP, D. 1975.O Alto Amazonas. Lisboa: Verbo.
LEUSEN, P. M. 2002. Pattern to Process: methodological investigations into the formation and interpretation of spatial patterns in archaeological landscapes. Tese de Doutorado, Rijksuniversiteit Groningen, Groningen.
LLOBERA, M. 2000. “Understanding movement: a pilot model towards the sociology of movement”. In: G. LOCK (Ed.). Beyond the Map: Archaeology and spatial Technologies. Amsterdam: IOS Press, 65-84.
LOWIE, R.H. 1948. “The tropical forests”. In: J. STWWARD (ed). Handbook of south American Indians v.3. Washington: Smithsonia Institution, 1-56.
MARTIN, G. 1999. Pré-história do Nordeste do Brasil. Recife: Editora Universitária da UFPE.
MEGGERS, B.J. 1979. América pré-histórica. Rio de Janeiro: Paz e Terra.
MEGGERS, B. J. & EVANS, C. 1973. “A reconstituição da pré-história amazônica: algumas considerações teóricas”. In O Museu Goeldi no ano do sesquicentenário. (Museu Paraense Emílio Goeldi: publicações avulsas; 20), 51-69.
MÉTRAUX, A. 1927. “Migrations historiques des Tupi-Guarani”.Journal de la Société des Américanistes, , Vol. 19 ( 1),.1-45.
MILHEIRA, R. G. 2008. Território e estratégia de assentamento Guarani na planície sudoeste da Laguna dos Patos e Serra do Sudeste – RS. Dissertação de Mestrado, Museu de Arqueologia e Etnologia – MAE, Universidade de São Paulo, São Paulo.
MURIETA-FLORES, P. et al.2012. “Modelando la movilidad y el movimiento en la Prehistoria reciente a través de los SIG. Estudios de caso em Sierra Morena occidental.” II Congreso de Prehistoria de Andalucía: Movilidad, contacto y cambio. Memorial Luis Siret , Antequera, 1-14.
NASCIMENTO, P. S. S. 2013. Gestão em áreas protegidas: proposição metodológica para análise de impactos socioambientais nas comunidades tradicionais da APA Chapada do Araripe. Tese (doutorado em Geografia) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas. Rio Claro.
NETELER, M.; MITASOVA, H. 2005. Open Source GIS: a GRASS GIS approach. 3a edição. New York: Springer.
NOELLI, F. 1996.“As hipóteses sobre o centro de origem e rotas de expansão dos Tupi. Revista de Antropologia, v.2. (39), 7-53.
OLIVEIRA, C.A. 2000. Estilos tecnológicos da cerâmica pré-histórica do sudeste do Piauí – Brasil. Tese de Doutorado, Museu de Arqueologia e Etnologia – MAE, Universidade de São Paulo, São Paulo.
OLIVEIRA, C.A. et al. 2006. “Os grupos pré-históricos ceramistas da Chapada do Araripe: prospecções arqueológicas no município de Araripina-PE”. Clio. vol. 2. (21), 333-350.
OLIVEIRA, C.A. et al. 2007. Relatório Final: Os grupos pré-históricos ceramistas da Chapada do Araripe. Universidade Federal de Pernambuco, Recife.
PESSIS, A-M et al. 2005. “Prospecção arqueológica dos sítios de registros rupestres na Chapada do Araripe”.Clio. n.18, 123-140.
PRONAPA. 1969. Arqueologia brasileira em 1968. Um relatório preliminar sobre o Programa Nacional de Pesquisas Arqueológicas. Publicações Avulsas. Belém.
PROUS, A. 1992. Arqueologia Brasileira. Brasília: Editora da Universidade de Brasília.
PROUS, A. 2006. O Brasil antes dos brasileiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.
SANJUÁN, L. 2005. Introduccíon al reconocimiento y análisis arqueológico del território. Bracelona: Arial.
SENA, V.K. 2007. Caracterização do padrão de assentamento dos grupos ceramistas do semi-árido pernambucano:um estudo de caso dos sítios arqueológicos de Araripina – PE. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.
SIMMS, S. R. et al. 1997. “Plain-Ware Ceramics and Residential Mobility: A Case Study From the Great Basin”. Journal of Archaeological Science, vol 24,779–792.
STEWARD, J. 1948. “Culture areas of the tropical florest” In: J. STWWARD (ed). Handbook of south American Indians , v.3. Washington: Smithsonia Institution, 883-903.
TONIOLO, E.R. 2005. Atualização das informações sobre a cobertura florestal, uso e ocupação do solo e o perfil sócio-econômico dos produtores e usuários de produtos florestais na região do Araripe no Estado de Pernambuco, abrangendo um raio de 120 km a partir do município de Araripina-PE. Relatório Parcial 5. Fortaleza: GEOPHOTO, 2005.
VAN HAVRE, G. 2015. Interações: Análise da complexidade no registro rupestre do Vale do Ventura, Morro do Chapéu, Bahia. Tese (doutorado em Arqueologia). Universidade Federal de Pernambuco, Recife.
Publicado
2017-07-03
Como Citar
AMARAL, Alencar de Miranda; VAN HAVRE, Gregoire. Acessibilidade dos sítios de grupos da Tradição Tupiguarani na Chapada do Araripe-PE. Revista de Arqueologia, [S.l.], v. 30, n. 1, p. 56-72, jul. 2017. ISSN 1982-1999. Disponível em: <http://www.revista.sabnet.com.br/revista/index.php/SAB/article/view/502>. Acesso em: 24 nov. 2017. doi: https://doi.org/10.24885/sab.v30i1.502.
Seção
Artigos