A Escrita da História do Brasil através dos vasilhames cerâmicos das populações subalternas

O papel atual da Arqueologia

  • Rafael Borges Deminicis Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional/ES, Doutorando em Arqueologia pelo MN/UFRJ

Resumo

O presente artigo pretende revisitar um tema talvez não suficientemente explorado pela Arqueologia Brasileira: a possibilidade de atualização da análise e classificação da cultura material que se convencionou denominar como “Cerâmica Neobrasileira”. Ao longo das duas últimas décadas, arqueólogos e arqueólogas com novas perspectivas tentaram criar modelos de análise que dessem conta da formulação de modelos de classificação regionais. Contudo, cabe fazer um balanço sobre os conceitos utilizados pela Arqueologia Brasileira até a atualidade, em equiparação com aqueles utilizados por outros campos de conhecimento, e, por fim, compreender o papel da Arqueologia na produção de um discurso integrado no que tange os estudos sobre a história das populações subalternas do país.

Referências

ALMEIDA, M. R. C. de. 2001 Metamorfoses indígenas: identidade e cultura nas aldeias coloniais do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional.
AMARAL, D. M. 2012 Loiça de barro do Agreste: um estudo etnoarqueológico de cerâmica histórica pernambucana. Dissertação de Mestrado, Arqueologia, MAE-USP.
ANTONIL, A. J. 1997 Cultura e Opulência do Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia.
BLAJ, I.. 1995 A Trama das Tensões: o progresso de mercantilização de São Paulo Colonial (1681-1721). Tese de Doutorado, História, FFLCH-USP.
BOXER, C. R. 2007 [1978] A Igreja Militante e a Expansão Ibérica: 1440-1770. São Paulo: Companhia das Letras.
BOXER, C. R. 1967 Relações raciais no império colonial português (1415-1825). Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.
CARVALHO, P. M. de. 2012 A travessia atlântica de árvores sagradas: estudos de paisagem e arqueologia em área de remanescente de quilombo em Vila Bela/MT. Dissertação de Mestrado, Arqueologia, MAE-USP.
DEGLER, C. N. 1976 [1944] Nem preto nem branco: escravidão e relações raciais no Brasil e nos EUA. Rio de Janeiro: Labor.
DIAS JR. O. F. 1988 A Cerâmica Neobrasileira. Arquivo IAB, Textos Avulsos 01. Rio de Janeiro: IAB.
FREYRE, G. 1940 O mundo que o português criou. Rio de Janeiro: José Olympio Editora.
FREYRE, G. 1998 [1933] Casa-Grande & Senzala. Editora Record: Rio de Janeiro.
GOMEZ, M. A. 1998 Exchanging our country marks: the transformation of African identities in the colonial and Antebellum South. ChapelHill: University of North Carolina Press.
GRUZINSKI, S. 2003 O historiador, o macaco e a centaura: a “história cultural” no novo milênio. Estudos Avançados. São Paulo: IEA/USP, 7(49):321-342.
GRUZINSKI, S. 2001 [1999] O Pensamento Mestiço. São Paulo: Companhia das Letras.
LAPLANTINE, F; NOUSS, A. 2002 A Mestiçagem. Lisboa: Instituto Piaget.
MINTZ, S.; PRICE, R. 2003 [1992] O nascimento da cultura Afro-Americana. Uma perspectiva antropológica. Rio de Janeiro: Pallas-UCAM.
ORSER JR, C. E. 1999 A Teoria de Rede e a Arqueologia da História Moderna. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia. I Reunião Internacional de Teoria Arqueológica na América do Sul. Anais. São Paulo. MAE-USP, 87-101.
PRICE, R. 2003 O Milagre da Crioulização: Retrospectiva. Estudos Afro-Asiático. Rio de Janeiro: UCAM, 25(3):383-419.
SCOTT, D. 1991. That event, this memory: notes on the Anthropology of African diasporas in the new world. Diaspora, 1(3):261-284.
SIMÕES, M. F. 1972 Índice das Fases Arqueológicas Brasileira (1950-1971). Publicações Avulsas do Museu Paraense Emílio Goeldi. Belém: Museu Emilio Goeldi, 18 (75).
SYMANSKI, L. C. P. 2006 Slaves and Planters in Western Brazil: material culture, identity and power. Tese de Doutorado, Filosofia, Universidade da Flórida.
SYMANSKI, L. C. P. 2010 Cerâmicas, identidades escravas e crioulização nos engenhos de Chapada dos Guimarães (MT). História Unisinos. São Lepoldo: Unisinos, 14(3):294-310.
SYMANSKI, L. C. P.; GOMES, D. M. C. 2012 Mundos mesclados, espaços segregados: cultura material, mestiçagem e segmentação no sítio Aldeia em Santarém (PA). Anais do Museu Paulista. São Paulo: Museu Paulista, 20(2):53-90.
THERRIEN, M.; UPRIMNY, E.; GUERRERO, J.L.; SALAMANCA, M.F.; GAITÁN, F.; FANDIÑO, M. Catálogo de cerámica colonial y republicana de la Nueva Granada: Producción local y materiales foráneos (Costa Caribe, Altiplano Cundiboyacense-Colombia). Fundación de Investigaciones Arqueológicas Nacionales, Bogotá: Bando de la República Bogotá, 2002.
ZANETTINI, P. E.. 2005 Maloqueiros e seus palácios de barro: o cotidiano doméstico da Casa Bandeirista. Tese de Doutorado, História, MAE-USP.
Publicado
2017-07-03
Como Citar
DEMINICIS, Rafael Borges. A Escrita da História do Brasil através dos vasilhames cerâmicos das populações subalternas. Revista de Arqueologia, [S.l.], v. 30, n. 1, p. 73-88, jul. 2017. ISSN 1982-1999. Disponível em: <http://www.revista.sabnet.com.br/revista/index.php/SAB/article/view/503>. Acesso em: 22 set. 2017. doi: https://doi.org/10.24885/sab.v30i1.503.
Seção
Artigos