Arqueologias Indígenas, os Laklãnõ Xokleng e os objetos do pensar

  • Juliana Salles Machado Universidade Federal de Santa Catarina

Resumo

A pergunta “a quem interessa o passado?”, realizada há alguns anos, levou-nos a repensar que o conhecimento produzido sobre o passado era compartilhado para além dos muros científicos, incitando a inclusão de vozes, por vezes dissonantes, sobre o que, durante muito tempo, chamamos de “nosso” problema de pesquisa. Contudo, ao descentralizarmos os lugares de fala, também escapa-nos a decisão sobre os objetos de pesquisa, suportes preferenciais de nosso pensar. Pretendo tratar da minha experiência recente de compartilhamento de interesse sobre o passado entre os Laklãnõ Xokleng no estado de Santa Catarina. Ao longo do artigo, trarei exemplos das múltiplas ações e esferas nas quais essa busca contemporânea do passado pelos Laklãnõ Xokleng tem se manifestado, e, afinal, como esta Arqueologia no presente pode permear-se por novos nexos e assim engajar neste processo social.

Referências

ALBERT, B., 2005.Territoriality, Ethnopolitics and Development: the Indian Movement in the Brazilian Amazon. . In Surrallés, Alexandre & Hierro, Pedro Garcia (Eds.) The Land Within. Indigenous Territory and the Perception of the Environment. Copenhagen, IWGIA.
ALBERT, B.; RAMOS, A. R. (orgs.), 2002. Pacificando o branco: cosmologias do contato no norte-amazônico. São Paulo: Editora UNESP: imprensa Oficial do Estado.
APPIAH, K. A., 2006. Cosmopolitanism: Ethics in a World of Strangers (Issues of Our Time). W. W. Norton & Company.
ATALAY, S., 2008. Pedagogy of decolonization: advancing archaeological practice through education. In.: Silliman, S.(org) Collaborating at the trowels’s edge. Teaching and learning in indigenous archaeology. Amerind studies in archaeology: The University of Arizona Press.
BESPALEZ, E., 2009. Levantamento Arqueológico e Etnoarqueologia na Aldeia Lalima, Miranda/MS: um estudo sobre a trajetória histórica da ocupação indígena regional. São Paulo: Dissertação de Mestrado MAE-USP.
CABRAL, M. P., 2007. No tempo das Pedras Moles: arqueologia e Simetria na Floresta. Tese de Doutorado, UFPA, 2014. Capítulo 2: 38-47.
CGNECCO, C., 2011. Native Histories and Archaeologists In.: CGNECCO, C. & AYALA, P. (Eds.) Indigenous Peoples and archaeology in Latin America. Walnut Creek: Left Coast Press, pp. 53-66.
COLWELL-CHANTHAPHONH, C.; FERGUSON, T. J. (Eds.), 2008. Collaboration in Archaeological Practice. Engaging descendent communities. Lanham: Altamira Press.
CONCEIÇÃO, L. C., 2015. Vivencias de escritas entre os Laklano/Xokleng. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Antropologia Social, Universidade Federal de Santa Catarina.
CORTELETTI, R., 2012. Projeto Arqueológico Alto Canoas – Paraca. Um estudo da presença Jê no Planalto Catarinense. Tese de Doutorado. MAE/USP.
CORTELETTI, R., DICKAU, R., DEBLASIS, P. e IRIARTE, J., 2015. Revisiting the economy and mobility of southernproto-Je (Taquara-Itarare) groups in the southern Brazilian highlands: starch grains and phytolith analysisfrom the Bonin site, Urubici, Brazil. Journal of Archaeological Science 58: 46-61
CRENDO, J. G., 2015. O espaço tradicional Xokleng/ Laklãnõ. Trabalho de Conclusão de Curso. Licenciatura Intercultural Indígena do Sul ca Mata Atlântica. Universidade Federal de Santa Catarina.
CRIRI, J., 2015. A Alimentação Tradicional Laklãnõ-Xokleng. Trabalho de Conclusão de Curso. Licenciatura Intercultural Indígena do Sul ca Mata Atlântica. Universidade Federal de Santa Catarina.
CRUZ, T. M. S., 2014. Etnoecologia de paisagens na terra indígena Ibirama Laklãnõ, Santa Catarina, Brasil. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Ecologia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianopolis.
DIAS, A. S.; HOELTZ, S. E., 2010. Indústrias líticas em contexto: o problema humaitá na arqueologia sul brasileira. Revista de Arqueologia, vol. 23 (2):40-67.
DIAS, A. S., 2012. Hunter-gatherer occupation of South Brazilian Atlantic Forest: paleoenvironment and archaeology. Quaternary International, v. 256, p. 12-18.
EREMITES DE OLIVEIRA, J., 2002. Da Pré-História à História Indígena: (Re)pensando a Arqueologia e os Povos Canoeiros do Pantanal. Tese de Doutorado. Pontifícia Universidade Católica. Porto Alegre.
EREMITES DE OLIVEIRA, J., 2005. Por uma Arqueologia so- cialmente engajada: Arqueologia Pública, Universidade Pública e Cidadania. In: P. P. A. Funari; C. E. Orser Jr.; S. N. O. Schiavetto (Orgs.). Identidades, discurso e poder: estudos da arqueologia contemporânea. São Paulo: Annablume/FAPESP. pp. 117-132.
FARIAS, D. S. E., 2005. Distribuição e padrão de assentamento – propostas para os sítios da tradição umbu na encosta de santa catarina. Tese de Doutoramento, Pós-Graduação em História, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da PUCRS, Porto Alegre, fevereiro.
FAUSTO, C.; HECKENBERGER, M., 2011. Introduction: Indigenous History and the History of the “Indians”. In: C. Fausto & M. Heckenberger, When Time Matters: History, Memory, and Identity in Indigenous Amazonia. University Press of Florida.
FERGUSON, T.J.; COLWELL-CHANTHAPHONH, C., 2006. History is in the land. The University of Arizona Press.
FONSECA, J. R., 2015. O conhecimento dos sábios sobre a cerâmica na Terra Indígena Xokleng/Laklãnõ Trabalho de Conclusão de Curso. Licenciatura Intercultural Indígena do Sul ca Mata Atlântica. Universidade Federal de Santa Catarina.
FOSSARI, T. D., 2004. A população pré-colonial Jê na paisagem da ilha de Santa Catarina. Tese de doutorado. Universidade Federal de Santa Catarina. Departamento de Geografia.
GAKRAN, N., 2005. Estudo da Morfossintaxe da Língua Laklãnõ/Xokleng Jê. Dissertação de Mestrado. UNICAMP.
GONZÁLEZ-RUIBAL, A., 2009. Vernacular Cosmopolitanism. An Archaeological critique of universalistic reason. In: MESKELL, L. (Ed.) Cosmopolitan Archaeologies. Duke University Press.
GOW, P., 2001. An Amazonian Myth and Its History. Oxford Studies in Social and Cultural Anthropology. Oxford: Oxford University Press.
HECKENBERGER, M., 2001. Estrutura, história e transformação: a cultura Xinguana na longue durée, 1000-2000d.c., In Franchetto, B. E Heckenberger, M. (Org.), Os povos do Alto Xingu História e Cultura, Editora UFRJ, Chap.1: 21-62.
HECKENBERGER, M., 2008. Entering the Agora: archaeology, conservation, and indigenous peoples in the Amazon. In: Colwell-Chanthaphonh, C. & Ferguson, T.J. Collaboration in archaeological practice. Engaging descendant communities. Altamira Press, p.243-272.
HEINEBERG, M. R., 2014. Conhecimento e Uso das Plantas pelos Xokleng na TI Ibirama Laklãnõ, Santa Catarina. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-Graduação em Biologia de Fungos, Algas e Plantas. Florianópolis, Santa Cataina, Outubro.
HENRY, J., 1941. Jungle People: a Kaingang tribe of the highlands of Brazil. Richmond (Virginia): J. J. Augustin Publisher.
HIERRO, P. G., 2005. Indigenous Territories: Knocking the gates of Law. In Surrallés, Alexandre & Hierro, Pedro Garcia (Eds.) The Land Within. Indigenous Territory and the Perception of the Environment. Copenhagen, IWGIA.
HODDER, I., 2008. Multivocality and social Archaeology. In: J. Habu; C. Fawcett e J. M. Matsunaga (Eds.). Evaluating multiple narratives. Beyond nationalist, colonialist, imperialist archaeolo- gies. New york, Springer, pp. 196-200.
INGOLD, T.,. 2011 Being Alive. Essays on movement, knowledge and description. Routledge: Londres.
IRIARTE, J.; BEHLING, H., 2007. The expansion of Araucaria forest in the southern Brazilian highlands during the last 4000 years and its implications for the development of the Taquara/Itararé Tradition. Environmental Archaeology 12:115-127.
IRIARTE, J., MOEHLECKE COPÉ, S., FRADLEY, M., LOCKHART, J. e GILLAM, C. J. 2013. Sacred landscapes of the southern Brazilian highlands: Understanding southern proto-Jê mound and enclosure complexes. Journal of Anthropological Archaeology 32: 74-96.
KOPENAWA, D., 1999. In Novaes, Adauto, A outra margem do ocidente. São Paulo, Companhia das Letras.:
KRENAK, A., 1999. O eterno retorno do encontro. In Novaes, Adauto, A outra margem do ocidente. São Paulo, Companhia das Letras,1999: 23-32.
KRENAK., A. 1994. Antes o mundo não existia. In Novaes, A. (Org.) Tempo e História. Companhia das Letras: Secretaria Municipal de Cultura.
LAVINA, R., 1994. Os Xokleng de Santa Catarina: uma etnohistória e sugestões para os arqueólogos. Dissertação de Mestrado em História. Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS. São Leopoldo.
MACHADO, J. S., 2017. Caminhos e Paradas. Perspectivas sobre o território Laklãnõ Xokleng. Revista do Museu de Arqueologia. V. 27.
MACHADO, J. S., 2016. Ũ TÕ DÉN TXI KABEL. aqueles que contam histórias. memória e território Laklãnõ Xokleng. Relatório FINAL PosDoutorado FAPESP, Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo.
MACHADO, J. S., 2013. História(s) Indígena(s) e a prática arqueologia colaborativa. Revista de Arqueologia da SAB.
MAESTRI, B. C., 2001. O CIMI e o povo Laklãnõ (Xokleng) uma análise da atuação missionária na terra indígina Ibirama /SC. Florianópolis. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina.
MARKUS, C., 1996. Identidade étnica e educação escolar indígena. Dissertação de Mestrado, Programa de pós-graduação em educação FURB. Blumenau.
MESKELL, L. (Ed.) 2009 Cosmopolitan Archaeologies. Duke University Press.
NANDY, A., 2012 [2003]. The romance of the State and the fate of dissent in the tropics. New Delhi: Oxford University Press.
NASTRI, J.; FERREIRA, L. M., 2010 (orgs.) Historias de Arqueología Sudamericana. Buenos Aires: Fundación de Historia Natural Felix de Azara,.
NIGRO, C., 2004. Para além das correrias. Desafio socioambiental no Alto vale do Itajai. In Ricardo, Fany. Terras Indígenas e Unidades de Conservação da natureza. O desafio das sobreposições. ISA, novembro, pp.333-345.
NOELLI, F. S., 1999-2000. A Ocupação Humana na região sul do Brasil: Arqueologia, debates e perspectivas. Revista USP, São Paulo, Nº44, 0.218-269, dezembro/fevereiro.
NOELLI, F. S., 1999. Repensando os rótulos e a história dos Jê do Sul o Brasil a partir de uma interpretação interdisciplinar. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, Suplemento 3, 285-303.
NOWOTNY, H. et al., 2001. Re-thinking science: knowledge and the public in an age of uncertainty, Cambridge, Polity Press/ Blackwell Publishers Inc.
OLIVEIRA, J. E.;PEREIRA, L., 2009. Ñande Ru Marangatu: laudo antropológico e histórico sobre uma terra Kaiowa na fronteira do brasil com paraguai. Editora UFGD, Dourados – MS.
PEREIRA, W. S., 1998. Laudo antropológico de identificação e delimitação de terra de ocupação tradicional Xokleng : história do contacto, dinâmica social e mobilidade indígena no Sul do Brasil. Porto Alegre : Funai.
PRIPRÁ, W. C., 2015. O Mõg como instrumento pedagógico na educação escolar indígena: uma experiência Laklãnõ/Xokleng. Trabalho de Conclusão de Curso. Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica. Universidade Federal de Santa Catarina.
SAHLINS, M., 1986. Historical metaphors and mythical realities. Ann Arbor: University of Michigan Press.
SAHLINS, M., 1990 [1987]. Ilhas de história, Rio de Janeiro: Jorge Zahar.
SANTOS, S. C., 1973. Índios e brancos no sul do Brasil : a dramática experiência dos Xokleng. Florianópolis: Edeme.
SANTOS-GRANERO, F., 2007. Time is Disease. Suffering and Oblivion. Yanesha Historicity and the struggle against temporality. In: Fausto, C. and Heckenberger, M. Time and Memory in Indigenous Amazonia. Anthropological Perspectives. University Press of Florida, p.47-73.
SANTOS-GRANERO, F.,2005. Writing History into Landscape: Yanesha Notions of Space and Territoriality. In Surrallés, Alexandre & Hierro, Pedro Garcia (Eds.) The Land Within. Indigenous Territory and the Perception of the Environment. Copenhagen, IWGIA.
SCHMITZ, P. I., 2016. A Arqueologia do Jê Meridional: uma longa aventura intelectual. Cadernos do CEOM, v. 29, p. 7-32.
SCHMITZ, P. I. ; ROGGE, J. H.., 2013. Pesquisando a Trajetória do Jê Meridional. Pesquisas. Antropologia, v. 70, p. 7-33.
SCHMITZ, P. I.; ROGGE, J. H.,. 2015. Tradição Umbu na Mata Atlântica de Taió, SC.. Cuadernos del Instituto Nacional de Antropologia y Pensamiento Latinoamericano, v. 2, p. 154-166,.
SILLIMAN, S. W. (Ed.). 2008. Collaborating at the Trowel’s Edge: Teaching and Learning in Indigenous Archaeology. Tucson, Arizona University Press.
SILVA, F. A.;NOELLI, F. S., 1996. Para uma síntese dos Jê do sul: igualdades, diferenças e dúvidas para etnografia, etnohistória e arqueologia. Estudos Ibero-americanos, XXII (1), junho.
SILVA, F. A., 2000. As Cerâmicas dos Jê do Sul do Brasil e os seus estilos tecnológicos: elementos para uma etnoarqueologia Kaingang e Xokleng. In Mota, L. T. Et al. Uri e Waxi – Estudos Interdisciplinares dos Kaingang. Londrina: UEL.
SILVA, F. A., 2009. Arqueologia e Etnoarqueologia na Aldeia Lalima e na Terra Indígena Kaiabi: reflexões sobre aqueologia comunitária e Gestão do Patrimônio Arqueológico. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, 19: 205- 219.
SILVA, F. A., 2011. O Patrimônio Arqueológico em Terras Indígenas: Algumas considerações sobre o tema no Brasil. In: FERREIRA, L. M.; FERREIRA, M. L.; ROTMAN, M. B. (Org.). Patrimônio Cultural no Brasil e na Argentina: estudos de caso. 1ed.São Paulo: Annablume, p. 193-219.
SILVA, F.A., 2014. El pasado en el presente de los Asurini do Xingu: Narrativas arqueológicas y narrativas indígenas. In: RIVOLTA, M.C; MONTENEGRO, M; FERREIRA, L. M.& NASTRI, J. (Org). Multivocalidad y Activaciones Patrimoniales en Arqueología: Perspectivas desde Sudamérica. 1ed.Buenos Aires: Universidad Naciolnal del Centro de la Prov. de Buenos Aires/Fundación de História Natural, p. 35-59.
SILVA, F.A.,2012. O plural e o singular das arqueologias indígenas. Revista de Arqueologia, 25(2)24-42.
SILVA, F. A.; BESPALEZ, E.; STUCHI, F. F., 2011. Arqueologia colaborativa na Amazônia: Terra Indígena Kuatinemu, Rio Xingu, Pará. Amazônica. Revista de Antropologia, Belém, 3(1):32- 59.
SILVA, L. P., 2014. Arqueologia Indígena. Protagonismo ameríndio, interlocução cultural e ciência contemporânea. Cuiabá: Carlini e Caniato Editora.
SMITH, C.; WOBST, M. (Eds), 2010. Decolonizing archaeological theory and practice. In Indigenous Archaeologies. Decolonizing Theory and Practice. One World Archaeology: Routledge.
STUCHI, F. F., 2010. A ocupação da Terra Indígena Kaiabi: história indígena e etnoarqueologia. São Paulo: Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Arqueologia. MAE/ USP.
TSCHUCAMBANG, C., 2015. Artefatos arqueológicos no território Laklãnõ/Xokleng-SC. Trabalho de Conclusão de Curso. Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica. Universidade Federal de Santa Catarina.
URBAN, G., 1978. A model of shokleng social reality. Tese de Doutorado, Universidade de Chicago.
VILAÇA, A., 2006. Quem somos nós. Os Wari ́encontram os brancos. Editora UFRJ, Rio de Janeiro.
WIIK, F. B., 1999. Xokleng. Textos para ISA, São Paulo: julho.
WITTMANN, L. T., 2007. O vapor e o botoque: imigrantes alemães e índios Xokleng no Vale do Itajaí/SC (1850-1926). Florianópolis: Letras Contemporâneas.
ZEDEÑO, M. N.; BOWSER, B. (Eds.), 2009. The archaeology of meaningful places. University of Utah Press.
ZEDEÑO, M. N.; 2008. The Archaeology of Territory and Territoriality. In DAVID, B. and THOMAS, J. Handbook of Landscape Archaeology. Walnut Creek, CA: Left Coast Press, pp. 210-217.
Publicado
2017-07-03
Como Citar
MACHADO, Juliana Salles. Arqueologias Indígenas, os Laklãnõ Xokleng e os objetos do pensar. Revista de Arqueologia, [S.l.], v. 30, n. 1, p. 89-119, jul. 2017. ISSN 1982-1999. Disponível em: <http://www.revista.sabnet.com.br/revista/index.php/SAB/article/view/504>. Acesso em: 22 set. 2017. doi: https://doi.org/10.24885/sab.v30i1.504.
Seção
Artigos