Arqueologia Histórica Amazônida

Entre sínteses e perspectivas

  • Diogo Menezes Costa Universidade Federal do Pará

Resumo

A Arqueologia na Amazônia vem de uma longa tradição com mais de 150 anos de investigações, porém seu maior foco de estudo na região é a pré-história. Por outro lado, pesquisas pioneiras realizadas em sítios arqueológicos do período histórico da área são orientadas por preceitos cronológicos e tecnológicos, sendo sua maioria em sítios religiosos e militares. Dessa forma, o texto pretende apresentar uma perspectiva antropológica sobre os sítios históricos amazônicos, não somente como outra abordagem de pesquisa, mas também como uma necessidade frente ao enorme patrimônio arqueológico-histórico ainda encoberto na Amazônia.

Referências

ALBUQUERQUE, M. 2007 Remanescentes materiais do Período Pombalino no Amapá. ARC - Revista Brasileira de Arqueometria, Restauração e Conservação, 1:313-319.
ALBUQUERQUE, M. 2008 Arqueologia da Fortaleza São José de Macapá. Revista da Cultura, 8:40-46.
ALBUQUERQUE, M. & LUCENA, V. 2010 Arqueologia Amazônica: o potencial arqueológico dos assentamentos e fortificações de diferentes bandeiras. In:PEREIRA, E & GUAPINDAIA, V.(Org), Arqueologia Amazônica 2. Belém, MPEG, IPHAN, SECULT, pp. 968-1019.
ALUETE. 2017. Dicionário Digital. acesso em: Abril de 2017.
AMORAS, F. C. & AMORAS, A. V. 2011 Presença européia na Amazônia. Estação Científica (UNIFAP), 1:17-22.
AMOROSO, M. R. 2001 Nimuendajú às voltas com a história. Revista de Antropologia, 44:173-186.
ANDERSON, S. D. & MARQUES, F. L. T. 1992 Engenhos movidos a maré no estuário do amazonas: vestígios encontrados no município de Igarapé-Miri, Pará. Boletim Museu Paraense Emílio Goeldi Ciências Humanas, 8:295-301.
ANDRADE, R. N. 2006. Defesa do Amazonas no Período Pombalino: uma visão arqueológica. In Encontro Estadual de História UFRPE. UFRPE, Recife. 1-12 pp.
ÂNGELO, H. B. P. 2013. A Arqueologia Histórica no Museu Paraense Emílio Goeldi. Revista de Arqueologia Pública, 8:119-134.
ARENZ, K. H. 2010. Do Alzette ao Amazonas: vida e obra do padre João Felipe Bettendorff (1625-1698). Revista Estudos Amazônicos, 1:25-78.
AZEVEDO, R. E. D. 1892. Esmeraldo de Situ Orbis. Lisboa, Imprensa Nacional.
BARBOZA, R. I. & FERREIRA, E. J. G. 1998. Historiografia das Expedições Científicas e Exploratórias no Vale do Rio Branco. Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia. 193-216 pp.
BARRETO, M. V. 1992. História da Pesquisa Arqueológica no Museu Paraense Emílio Goeldi. Boletim Museu Paraense Emílio Goeldi Ciências Humanas, 8:203-294.
BARRETO, M. V. 2016. Soldados, Comerciantes, Colonos e Índios: A Disputa Européia pela Foz do Amazonas (1616-1647). Belém, Estudos Amazônicos.
BENTES, D. S. 2007. Primeiras Imagens da Amazônia. Manaus, Edições do Governo do Estado do Amazonas.
BEZERRA, M. 2011 “As moedas dos índios”: um estudo de caso sobre os significados do patrimônio arqueológico para os moradores da Vila de Joanes, ilha de Marajó, Brasil. Boletim Museu Paraense Emílio Goeldi Ciências Humanas, 6:57-70.
CALDARELLI, S. B. 2015. Arqueologia Preventiva: uma disciplina na confluência da arqueologia pública e da avaliação ambiental. Habitus, 13:5-30.
CAMARGO, M. L. G. D. 2015. O latifúndio do Projeto Jari e a propriedade da terra na Amazônia brasileira. Dissertação (Mestrado em Geografia Humana), São Paulo, Universidade de São Paulo.
CARDOSO, F. H. & MÜLLER, G. 2008.Amazônia: Expansão do Capitalismo. Rio de Janeiro, Centro Edelstein de Pesquisas Sociais
CARDOZO, A. 2008. Sacras Intrigas: Conflitos entre Ordens Religiosas no Maranhão e Grão-Pará (Século XVII). Revista Estudos Amazônicos, III:11-38.
CARVALHO, M. 1998-2016. Naufrágios do Brasil. acesso em: Julho de 2016.
CHAMBOULEYRON, R. 2003. Em Torno das Missões Jesuíticas na Amazônia (Século XVII). Lusitania Sacra, 15:163-209.
CHAMBOULEYRON, R. 2006. Escravos do Atlântico equatorial: tráfico negreiro para o Estado do Maranhão e Pará (século XVII e início do século XVIII). Revista Brasileira de História, 26:79-114.
CHAMBOULEYRON, R. & BOMBARDI, F. A. 2011.Descimentos privados de índios na Amazônia colonial (séculos XVII e XVIII). Varia História, 27:601-623.
COELHO, M. C. 2014. A Fundação de Belém. Belém, Estudos Amazônicos.
COELHO, R. G. & MARQUES, F. L. T. 2011. Processo de contato e primórdios da colonização na Bacia do Amazonas. In Velhos e Novos Mundos: Estudos de Arqueologia Moderna, TEIXEIRA, A & BETTENCOURT, JA. Centro de História de Além-Mar. 277-284 pp.
CORRÊA, M. V. D. M. 2007. Da capela carmelita à catedral metropolitana de Manaus (AM): uma arqueologia da arquitetura. Fragmentos de Cultura, 17:591-607.
CORRÊA, M. V. D. M. & IRIBARREM, C. G. 2009. Mercado municipal Adolpho Lisboa- Manaus (AM) Arqueologia e Restauração. In XI Cidade Revelada. Itajaí. 1-20 pp.
COSTA, D. F. D. & ARENZ, K. H. 2015. Patrimônio e História: os Jesuítas na Amazônia. Belém, Paka-Tatu.
COSTA, D. M. 2010. Arqueologias Históricas: um panorama temporal e espacial. Vestígios. Revista latino-americana de arqueologia histórica, 4:7-40.
COSTA, D. M. 2013. Algumas Abordagens Teóricas na Arqueologia Histórica Brasileira. Ciência e Cultura, 65:30-32.
COSTA, D. M. 2016a. Archaeology of the African Slaves in the Amazon.Journal of African Diaspora Archaeology and Heritage, 5:198-221.
COSTA, D. M. 2016b. Arqueologia dos Africanos Escravos e Livres na Amazônia. Vestígios - Revista Latino-Americana de Arqueologia Histórica, 10:69-91.
COSTA, G. G. D. 2014. Fortificações na Amazônia. Navigator, 10:109-118.
COSTA, G. G. D. & SUDÉRIO, M. D. O. 2009. Rede de Cidades Amazônicas: Belém, Santarém, Manaus e Rio Branco. In III Simpósio Luso-Brasileiro de Cartografia Histórica Ouro Preto. 1-11 pp.
COSTA, K. S. 2009. Apontamentos sobre a formação histórica da Amazônia: uma abordagem continental. Série Estudos e Ensaios / Ciências Sociais / FLACSO-Brasil:1-25.
CUNHA, O. R. D. 1989. Talento e Atitude: Estudos Biográficos do Museu Emílio Goeldi, I. In Coleção Alexandre Rodrigues Ferreira. Boletim Museu Paraense Emílio Goeldi, Belém. 77-79 pp.
DEETZ, J. 1989. Archaeography, Archaeology, or Archeology? American Journal of Archaeology, 93:429-435.
DIAS, S.-C. G. 2010. Forte do Presépio - Espaço, Memória Educação e Tecnologia. In VI Seminário Regional de Cidades Fortificadas e Primeiro Encontro Técnico de Gestores de Fortificações. Universidade Federal de Santa Catarina. 1-9 pp.
FARIAS, W. G. 2011. Militares e civis forjando o “Tenentismo” no Pará. In Anais do XXVI Simpósio Nacional de História - ANPUH. São Paulo. 1-12 pp.
FERREIRA, L. M. 2009. “Ordenar o Caos”: Emílio Goeldi e a arqueologia amazônica. Boletim Museu Paraense Emílio Goeldi Ciências Humanas, 4:71-91.
FIGUEIREDO, N. 1974. Presença Africana na Amazônia. Universidade Federal do Pará. 145-160 pp.
FILHO, A. A., JÚNIOR, J. A. & NETO, J. M. 2005. Pontos da História da Amazônia. Belém, Paka-Tatu.
FILHO, E. P. N. 2014. A Base Aeronaval Norte-Americana do Amapá-Brasil Pós-Segunda Guerra Mundial. Revista Portuguesa de História, XLV:299-323.
FONSECA, D. R. D. 2007. Estudos de História da Amazônia. Porto Velho, Maia.
FUNARI, P. P. A. 1997 Archaeology, History, and Historical Archaeology in South America. International Journal of Historical Archaeology, 1:189-206.
FUNARI, P. P. A. 2005. Teoria e métodos na Arqueologia contemporânea: o contexto da Arqueologia Histórica. Mneme, 6:1-5.
FUNARI, P. P. A. 2007. A Report on Historical Archaeology Publications in Latin America. International Journal of Historical Archaeology, 11:183-191.
GADELHA, R. M. A. F. 2002. Conquista e ocupação da Amazônia: a fronteira Norte do Brasil. Estudos Avançados, 16:63-80.
GASPAR, M. D. 2003. História da Construção da Arqueologia Histórica Brasileira. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, 13:269-301.
GOMES, R. N. D. C. 2013. Arqueologia e Cultura Material - Uma História contada em cacos de vidros e louças da Vila de Santo Antônio (Porto Velho - RO). Mestrado, Belém, UFPA.
GRUZINSKI, S. 2014. A Amazônia e as origens da globalização (sécs. XVI-XVIII): Da história local à história global. Belém, Estudos Amazônicos.
GUZMÁN, D. D. A. & HULSMAN, L. A. H. C. 2016. Holandeses na Amazônia (1620-1650): documentos inéditos. Belém, IOE.
HILBERT, K. 2009. Uma biografia de Peter Paul Hilbert: a história de quem partiu para ver a Amazônia. Boletim Museu Paraense Emílio Goeldi Ciências Humanas, 4:135-154.
HULSMAN, L. 2011.Swaerooch: o comércio holandês com índios no Amapá (1600-1615). Revista Estudos Amazônicos, VI:178-202.
JÚNIOR, A. D. D. C. 2013. A ordem da missão e os jogos da ação: conflitos, estratégias e armadilhas na Amazônia do século XVII. Revista Tempo, 19:23-41.
LIMA, H. P. & MORAES, B. 2010. Produção de Conhecimento e Preservação em Debate: Aspectos da Arqueologia na Cidade de Manaus. Revista de Arqueologia, 23:90-107.
LIMA, T. A. 1993. Arqueologia Histórica no Brasil: balanço bibliográfico (1960-1991). Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, 1:225-262.
LOPES, P. R. D. C. 1999a. A Colonização Portuguesa da Ilha de Marajó: Espaço e Contexto Arqueológico- Histórico na Missão Religiosa de Joanes. Mestrado, Porto Alegre, PUCRS.
LOPES, P. R. D. C. 1999b. O contexto e o espaço da missão religiosa de Santo Antônio em Joanes, na ilha de Marajó - um estudo arqueológico. Clio Série Arqueológica: 67-74.
LOPES, R. C. D. S. 2011. “Indigitado estrupício”: Arqueologia e significados acerca do muro do Forte do Presépio (Belém-Pará). Amazônica, 3:370-390.
LOPES, R. C. D. S. 2013. O Melhor Sítio da Terra: Colégio e Igreja dos Jesuítas e a Paisagem da Belém do Grão-Pará. Mestrado, Belém, UFPA.
LUCENA, V. 1993. O Forte de Óbidos, uma unidade de defesa na conquista do Norte do Brasil: um projeto de pesquisa. Revista de Arqueologia, 8:303-319.
MACHADO, J. S. 2009. Arqueologia e história nas construções de continuidade na Amazônia. Boletim Museu Paraense Emílio Goeldi Ciências Humanas, 4:57-70.
MAGALHÃES, M. P. 2006. Arqueologia na Fortaleza de São José de Macapá. Boletim Museu Paraense Emílio Goeldi Ciências Humanas, 1:33-59.
MARIN, R. E. A. 2004. Civilização do rio, civilização da estrada: transportes na ocupação da Amazônia no século XIX e XX. In I SITREAMA. Belém. 1-25 pp.
MARQUES, F. L. T. 1993. Engenhos de Maré em Barcarena, Pará: Arqueologia de seus Sistemas Motrizes. Mestrado, Porto Alegre, PUCRS.
MARQUES, F. L. T. 2004. Modelo da Agroindústria Canavieira Colonial no Estuário Amazônico: Estudo Arqueológico de Engenhos dos Séculos XVIII e XIX. Doutorado, Porto Alegre, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.
MARQUES, F. L. T. & MALHEIRO, M. V. P. s/d. Arqueologia na área do Forte do Castelo: possibilidades de pesquisa. In Resumos Expandidos. 45-47 pp.
MARTINIANO, J. N. & FILIPPINI, E. 2006. Praça D. Pedro II: Memórias de um patrimônio. Revista Eletrônica Aboré, S/N:1-10.
MARTINS, Á. 2012. Moedas para a Revolução do Povo: A solução Cabana para o Meio Circulante. Belém, Imprensa Oficial do Estado.
MATTOS, P. F. J. D. 2011.Visões do paraíso: as expedições de Francisco de Orelhana e Pedro Teixeira na Amazônia. Navigator, 7:104-116.
MELLO, M. E. A. D. S. E. 2009.O Regimento das Missões: Poder e negociação na Amazônia portuguesa. Clio - Série Revista de Pesquisa Histórica 27:46-75.
MONTEIRO, M. Y. 2010. Escravidão Indígena: o trabalho escravo e legal na Amazônia. Manaus, EDUA.
MORAES, I. P. D. 2012. Do tempo dos Pretos d'antes aos Povos do Aproaga: Patrimônio arqueológico e territorialidade quilombola no vale do rio Capim (PA). Mestrado, Belém, UFPA.
MOTT, L. 2009. Travessuras de um frade sodomita no Convento das Mercês de Belém do Pará (1652-1658). Revista Estudos Amazônicos, IV:11-35.
NEVES, E. G. 2000. O Velho e o Novo na Arqueologia Amazônica. Revista USP:86-111.
NEVES, E. G. 2009. A Arqueologia nas Cidades Amazônicas Atuais e os Sítios Arqueológicos Pré-Coloniais. In I Fórum Nacional do Patrimônio cultural, SUTTI, W. IPHAN, Ouro Preto. 39-45 pp.
OLIVEIRA, A. E. D.& FURTADO, L. G. 1995 As Ciências Humanas no Museu Paraense Emílio Goeldi: 128 Anos em Busca do Conhecimento Antropológico na Amazônia. BIB:103-109.
OLIVEIRA, W. P. 2012. Memórias de uma revolta esquecida: o Baixo-Amazonas na revolução constitucionalista de 1932. Mestrado, Belém, UFPA.
PEIXOTO, R. C. D. 2011. Memória social da Guerrilha do Araguaia e da guerra que veio depois. Boletim Museu Paraense Emílio Goeldi Ciências Humanas, 6:479-499.
PEREIRA, E. 2009. O Museu Goeldi e a pesquisa arqueológica: um panorama dos últimos dezessete anos (1991-2008). Boletim Museu Paraense Emílio Goeldi Ciências Humanas, 4:171-190.
PEREIRA, E. & GUAPINDAIA, V. 2010. Arqueologia Amazônica. Belém, MPEG; IPHAN; SECULT.
PORRO, A. 2011. Uma crônica ignorada: Anselm Eckart e a Amazônia setecentista. Boletim Museu Paraense Emílio Goeldi Ciências Humanas, 6:575-592.
REZENDE, T. V. F. D. 2006. A conquista e a ocupação da Amazônia brasileira no período colonial: a definição de fronteiras. Doutorado, São Paulo, Universidade de São Paulo.
RICCI, M. 2006. Cabanagem, cidadania e identidade revolucionária: o problema do patriotismo na Amazônia entre 1835 e 1840. Revista Tempo, 22:5-30.
ROSA, C. S. D. 2008. Ilusão do Paraíso: História e Arqueologia na Amazônia (1948-1965). Mestrado, Belém, Universidade Federal do Pará.
SANJAD, N. 2011. “Ciência de potes quebrados” Nação e região na arqueologia brasileira do século XIX. Anais do Museu Paulista, 19:133-163.
SANJAD, N. & SILVA, J. B. P. D. 2009. Três contribuições de Emílio Goeldi (1859-1917) à arqueologia e etnologia amazônica. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, 4:95-133.
SCHAAN, D. P. 2006. A arqueologia na região de Santarém. Universidade Federal do Pará. 1-11 pp.
SCHAAN, D. P. 2007. Uma janela para a história pré-colonial da Amazônia: olhando além – e apesar – das fases e tradições. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, 2:77-89.
SCHAAN, D. P. & MARTINS, C. P. 2010. Muito Além dos Campos: Arqueologia e história na Amazônia Marajoara. GKNORONHA Belém.
SENA, C. 2008. Fordlândia: breve relato da presença americana na Amazônia. Cadernos de História da Ciência, 4:89-108.
SILVA, A. C. G. D. & SILVA, J. D. C. 2007. Seringueiros na Amazônia. In II – Colóquio Nacional do Núcleo de Estudos em Espaço e Representações. UFBA/Geografia, Salvador BA. 1-14 pp.
SIMÕES, M. F. 1981. As pesquisas arqueológicas no Museu Paraense Emilio Goeldi (1870-1981). Acta Amazônica, 11:149-165.
SOUZA, M. D. O. & ANDRADE, R. N. O. 2005. O povoamento do Norte do Brasil no Período Pombalino: o caso de Mazagão. Portal do São Francisco - Revista do Centro de Ensino Superior do Vale do São Francisco, 4:105-120.
SYMANSKI, L. C. P. 2009. Arqueologia Histórica no Brasil: uma revisão dos últimos anos. In:MORALES, WF & MOI, FP.(Org), Cenários Regionais em Arqueologia Brasileira. São Paulo, Annablume/Acervo, pp. 279-310.
SYMANSKI, L. C. P. 2014. Arqueologia - Antropologia ou História? Origens e tendências de um debate epistemológico. Tessituras, 2:10-39.
SYMANSKI, L. C. P. & GOMES, D. M. C. 2012. Mundos mesclados, espaços segregados: cultura material, mestiçagem e segmentação no sítio Aldeia em Santarém (PA). Anais do Museu Paulista, 20:53-90.
TAVARES, M. G. D. C. 2008. A Formação Territorial do Espaço Paraense: dos fortes à criação de municípios. Revista ACTA Geográfica, II:59-83.
TAVARES, M. G. D. C. 2011. A Amazônia brasileira: formação histórico-territorial e perspectivas para o século XXI. GEOUSP - Espaço e Tempo, 29:107-121.
Publicado
2017-07-03
Como Citar
COSTA, Diogo Menezes. Arqueologia Histórica Amazônida. Revista de Arqueologia, [S.l.], v. 30, n. 1, p. 154-174, jul. 2017. ISSN 1982-1999. Disponível em: <http://www.revista.sabnet.com.br/revista/index.php/SAB/article/view/506>. Acesso em: 22 set. 2017. doi: https://doi.org/10.24885/sab.v30i1.506.
Seção
Artigos