(Re) visitando as pessoas e as coisas

A Etnoarqueologia enquanto uma Arqueologia do Presente

  • Lucas Antonio da Silva Museu Nacional/UFRJ

Resumo

O presente artigo tem por objetivo (re)visitar as principais ideias que compõem a Etnoarqueologia, seguindo o fluxo dos debates mais recentes a seu respeito. Em linhas gerais, as temáticas perpassam pelas questões metodológicas, epistemológicas, teóricas e políticas, que caracterizam, de forma geral, aquilo que alguns autores chamam de “uma arqueologia do presente”. Nesse sentido, unindo as percepções dos trabalhos de campo às leituras teóricas, buscou-se a construção de um texto aberto e que dialogue com diversas áreas do conhecimento.

Referências

DAVID, N & KRAMER, C. 2001. Ethnoarchaeology in Action. New York: Cambridge Press, 476p.
DEBORD, G. 1997. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto editora, 237p.
EREMITES DE OLIVEIRA, J. 2016. Etnoarqueologia, colonialismo, patrimônio arqueológico e cemitérios Kaiowá no Estado do Mato Grosso do Sul, Brasil. Revista de Arqueologia da Sociedade de Arqueologia Brasileira. São Paulo, v. 29:136-160.
FEWSTER, K. 2013. The relationship between ethnoarchaeology and archaeologies of the contemporary past: a historical investigation. In: GRAVES-BROWN, P; HARRISON, R; PICCINI, A (orgs). The Oxford Handbook of the archaeology of the contemporary world. Oxford: Oxford University Press, p. 27-39.
FOUCAULT, M. 2005. Sobre a Arqueologia das ciências. Resposta ao círculo de epistemologia. In: FOUCAULT, M. Ditos e Escritos (II): Arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. Rio de Janeiro: Editora forense, p.82-118.
GONZÁLEZ-RUIBAL, A. 2006.The past is tomorrow. Towards na archaeology of the vanishing present. Norwegian Archaeological Review. v. 39: 110-125.
GONZÁLEZ-RUIBAL, A. 2009. De la etnoarqueología a la arqueología del presente. In: SALAZAR, J.; DOMINGO, I.; ASKARRÁGA, J.; BONET, H. (orgs.). Mundos tribales: una visión etnoarqueológica. Valencia: Museo de Prehistoria, p. 16-27.
GONZÁLEZ-RUIBAL, A. 2014. An archaeology of Resistance: materiality and time in na African borderland. Plymouth: Rowman & Littlefield, 381p.
GOULD, R (org.). 1978. Explorations in Ethnoarchaeology. Santa Fe: School of American Research, 329p.
HAMILAKIS, Y. 2015. Arqueología y sensorialidad. Hacia uma ontologia de afectos e flujos. Vestígios – Revista Latino-Americana de Arqueologia Histórica. Belo Horizonte v. 9: 31-53.
INGOLD, T. 2000. The Perception of the Environment: Essays on Livelihood, Dwelling and Skill. London: Routledge, 465p.
INGOLD, T. 2012. Trazendo as coisas de volta à vida: Emaranhados criativos num mundo de materiais. Horizontes Antropológicos. Porto Alegre, ano 18: 25-44.
INGOLD, T. 2013. Los materiales contra la materialidade. Buenos Aires, Papeles de trabajo. v.7:19-39.
INGOLD, T. 2013b. Repensando o animado, reanimando o pensamento. Espaço Ameríndio. Porto Alegre, v.7:10-25.
INGOLD, T. 2014. That’s enough about ethnography!. HAU: Journal of Ethnographic Theory, v.4: 383-395.
INGOLD, T. 2015. Estar vivo: ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Petrópolis: Editora Vozes, 390p.
KENT, S. 1984. Analyzing activity areas: An ethnoarchaeological study of the use of space. Albuquerque: University of New Mexico Press, 259 p.
KENT, S.(org). 1987. Method and theory for activity area research: an ethnoarchaeological approach. New York: Columbia University Press, 643 p.
LANE, P. 2006. Present to past: Ethnoarchaeology. In: TILLEY, C; KEANE, W; KÜCHLER, S; ROWLANS, M; SPYER, P. Handbook of Material Culture. London: SAGE publications, p.402-424.
LATOUR, B. 1998. Ciência em Ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: Editora UNESP, 438p.
LATOUR, B. 2008. Como falar do corpo? A dimensão normativa dos estudos sobre ciência. In. NUNES, J; ROQUE, R. Objectos Impuros: Experiencias em estudos sobre a ciência. São Paulo: Editora UNESP, 438p.
LATOUR, B. 2012. Reagregando o social: uma introdução à teoria do Ator-Rede. Salvador-Bauru: EDUFBA-EDUSC, 399p.
MILLER, D. 2013. Trecos, troços e coisas. Estudos antropológicos sobre a cultura material. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 244 p.
OLIVER, L. 2004. The past of the presente. Archaeological memory and time. Archaeological Dialogues. Cambridge, v.10: 204-213.
OLSEN, B. 2010. In defense of things: archaeology and the ontology of objects. Altamira Press, 203p.
PYBURN, A. 1998. Consuming The Maya. Journal Of Dialectical Anthropology v.23:111-129.
SARTRE, JP. 2014. Esboço para a teoria das emoções. Porto Alegre: L&PM, 2014, 93p.
SILVA, F. As Tecnologias e seus significados: um estudo da cerâmica dos Asuriní do Xingu e da cestaria dos Kayapó-Xikrin sob uma perspectiva etnoarqueológica. 2000. Tese de Doutorado. São Paulo. Universidade de São Paulo. 244 p.
SILVA, F. 2009a. Etnoarqueologia: uma perspectiva arqueológica para o estudo da cultura material. Métis (UCS). Caxias do Sul, v. 8: 121-139.
SILVA, F. 2009b. A etnoarqueologia na Amazônia: contribuições e perspectivas. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas. Belém, v. 4: 27-37.
SILVA, F. 2015a. Arqueologia colaborativa com os Asurini do Xingu: Um relato sobre a pesquisa no igarapé Piranhaquara, T.I Koatinemo. Revista de Antropologia. São Paulo, v.58:143-172.
SILVA, L. 2015. Com vento a lagoa vira mar: uma etnoarqueologia da pesca no litoral norte do RS. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas. Belém, v. 10: 537-547.
SPINOZA, B. 2002. Ética demonstrada à maneira dos geômetras. São Paulo: Editora Martin Claret, 423p.
STOCKING JR., G. 1985. Essays on Museums and Material Culture. In: STOCKING JR., G (org.). Objects and others. Essays on museums and material culture. London: The University of Wisconsin Press, p. 3-14.
TRIGGER, B. Writing a history of archeology: a survey of trends. In: STOCKING JR., G (org.). Objects and others. Essays on museums and material culture. London: The University of Wisconsin Press, p. 218-235.
TRIGGER, B. 2011. História do pensamento arqueológico. São Paulo: Odysseus Editora, 2011(2° Edição), 629p.
Publicado
2017-07-03
Como Citar
SILVA, Lucas Antonio da. (Re) visitando as pessoas e as coisas. Revista de Arqueologia, [S.l.], v. 30, n. 1, p. 175-185, jul. 2017. ISSN 1982-1999. Disponível em: <http://www.revista.sabnet.com.br/revista/index.php/SAB/article/view/508>. Acesso em: 24 nov. 2017. doi: https://doi.org/10.24885/sab.v30i1.508.
Seção
Artigos