Há uma condição de possibilidade de diálogo entre regimes de conversação e regimes de conhecimentos

de um lado as Cosmologias Ameríndias e suas materialidades e, de outro, a Arqueologia

  • Jose Alberione dos Reis Universidade Federal de Rio Grande

Resumo

Desde sempre, a Arqueologia, enquanto campo de produção de conhecimento científico no Projeto da Modernidade, não assumiu compromissos em incluir outras vozes que não as científicas. Agora, no cenário contemporâneo, tais vozes querem protagonismo em relação a tudo o que vem sendo pesquisado pela Arqueologia. Trazem o desafio de outros regimes de conversação entre o que diz a ciência e o que também dizem estes grupos. Por onde estudo, parto das cosmologias ameríndias e suas materialidades no sentido de trazer desafios para novos regimes de conversação nos fazeres da Arqueologia, orientando-me através da teoria da decolonialidade e de outras teorias. As cosmologias são pesquisadas nas etnografias publicadas, referentes a grupos étnicos localizados no Brasil nas geograficamente denominadas ‘terras baixas’.

Referências

.ALBERT, B. e RAMOS, A. R. 2002. Pacificando o branco. Cosmologias do contato no Norte-Amazônico. São Paulo, Unesp.
ALEXANDRE, M. 2004. Representação social: uma genealogia do conceito. Comum, Rio de Janeiro, v. 10, n. 23, jul/dez, pp. 122-138.
APPADURAI, A..2008. A vida social das coisas: as mercadorias sob uma perspectiva cultural. Niterói, RJ: EdUFF.
ARMSTRONG, K. 2005. Breve história do mito. São Paulo, Companhia das Letras.
BARCELOS, A. H. F. 2009. De cultura material, memória, perdas e ganhos. Revista Methis: História e Cultura. v.8, n.16, Caxias do Sul, EDUCS: 39-45.
BARROS, E. P. de. 2003. Os Filhos do Sol. História e cosmologia na organização social de um povo Karib: os Kurã-Bakairi. São Paulo, EDUSP.
BLÁZQUEZ, G. 2000. Exercícios de apresentação: antropologia social, rituais e representações. In: CARDOSO, Ciro F. e MALERBA, J.(orgs.). Representações –contribuição a um debate interdisciplinar. Campinas, Papirus, pp. 169-198.
BORGES, J.L. et al. 2013. Antologia da Literatura Fantástica. São Paulo, Cosac Naify.
BUCHLI, V. 2010. Architecture and Modernism. In: Handbook of Material Culture. Tilley, C. et all. Los Angeles, SAGE.
CABRAL, M. P. 2014. No tempo das pedras moles: arqueologia e simetria na Amazônia. Tese de Doutorado. Belém, PPG em Antropologia/UFPA.
CARDOSO, C. F.; MALERBA, J.(orgs.). 2000. Representações –contribuição a um debate interdisciplinar. Campinas, Papirus, 2000
CESARINO, P. de N. 2011. Oniska – poética do xamanismo na Amazônia. São Paulo, Perspectiva.
CHAISSON, E.J. 2001. Cosmic evolution: the rise of complexity in nature. Cambridge (MA), Harvard Univ.
CLASTRES, H. 1978. Terra sem mal – o profetismo tupi-guarani. São Paulo, Brasiliense.
COLLINS, R. 2009. Quatro tradições sociológicas. Petrópolis, Vozes.
CRAIG, W.L. 2001. The cosmological argument from Plato to Leibniz. Eugene, Stock.
CRIADO BOADO, Felipe. 2001. Problems, function and conditions of archaeological knowledge. Journal of Social Archaeology, vol. 1, n. 1:126-146
CUNHA, M. C. da. 2007. Relações e dissensões entre sabers tradicionais e saber científico. Revista USP, São Paulo, n. 75, setembro/novembro: 76-84.
DELEUZE, G. e GUATTARI, F. 2010. O que é a Filosofia? São Paulo, Ed. 34.
DOUGLAS, M. e ISHERWOOD, B. 2004. O mundo dos bens: para uma antropologia do consumo. Rio de Janeiro: UFRJ.
ELIADE, M. 1991. Imagens e símbolos. Ensaio sobre o simbolismo mágico-religioso. São Paulo, Martins Fontes.
FEYERABEND, P. 2011. Contra o método. São Paulo, EDUNESP.
FRÓES, André L. D. 2013. Modificações vetoriais da Relatividade Geral: aplicações cosmológicas e no sistema solar. Tese de Doutorado. São Paulo, UNICAMP.
GALLOIS, D. T. 1988. O movimento na cosmologia Waiãpi: criação, expansão e transformação do universo.Tese de Doutorado. São Paulo, USP.
GAZOLLA, R. (org.). 2008. Cosmologias –cinco ensaios sobre filosofia da natureza. São Paulo, Paulus.
GEERTZ, C. 2009. Obras e vidas – o antropólogo como autor. Rio de Janeiro, Editora da UFRJ.
GLEISER, M. 2004a. A ilha do conhecimento. Os limites da ciência e a busca por sentido. Recordo, Rio de Janeiro.
GLEISER, M. 2004b. Criação Imperfeita. Cosmo, Vida e o Código Oculto da Natureza. Rio de Janeiro, Record.
GNECCO, C. 2017. Antidecálogo Diez ensayos (casi) arqueológicos. Popayán : Universidad del Cauca. Sello Editorial.
GNECCO, C. 2015. La arqueologia (moderna) ante el empuje decolonial. In: Gnecco, C.; Haber, A. y Shepher, N. (orgs.). Arqueología y decolonialidad. Buenos Aires, Del Signo, pp. 71-122.
GONÇALVES, M. A. 2010. Traduzir o outro – etnografia e semelhança. Rio de Janeiro, 7Letras.
GONÇALVES, M.A. 2001. O Mundo Inacabado. Ação e criação em uma Cosmologia Amazônica. Etnografia Pirahã. Rio de Janeiro, UFRJ.
GRANGER, G.G. 2002. O Irracional. São Paulo, Unesp.
GREENE, B. 2005. O tecido do cosmo. O espaço, o tempo e a textura da realidade. São Paulo, Companhia das Letras.
GREENE, B. 2011. La realidade oculta. Universos parelelos y las profundas leyes del cosmos. Barcelona, Critica.
GUATTARI, F.1919. Fondaments ethico-politiques de l’interdisciplinarite. Journal Unesco, Paris, Unesco: 1-13.
HABER, A. 2016. Al otro lado del vestigio: Políticas del conocimiento y arqueologia indisciplinada. Popayán : Universidad del Cauca. SelloEditorial.
HABER, A. 2011. Nometodología Payanesa: Notas de Metodología Indisciplinada. Revista de Antropología, n° 23, 1er Semestre: 9-49
HAWKING, S. 2015. Uma breve história do tempo. Rio de Janeiro, Intrínseca.
HEGEL, G.W.F.-[1816]1991- Introdução à História da Filosofia.Lisboa, Ed. 70.
HETHERINGTON, N.S. (ed.). 1993. Cosmology: hisotorical, literary, philosophical, religious, and scientific perspectives. New York, Routledge.
HUIZINGA, J. 2004. Homo ludens – o jogo como elemento da cultura. São Paulo, Perspectiva.
JECUPÉ, K. W. 2001. Tupã Tenondé. A criação do universo, da terra e homem segundo a tradição Gurani. São Paulo, Peirópolis.
KOPENAWA, D. e ALBERT, B. 2015. A Queda do Céu. Palavras de um xamã Yanomami. São Paulo, Companhia das Letras.
LA CADENA, M. de. 2010. Indigenous cosmopolitics in the Andes: conceptual reflections beyond “politics”. Cultural Anthropologist, v. 25, n. 2: 334-370.
LANDER, E. (org.). 2005. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires, CLACSO.
LEPELTIER, T. 2014 La face cachée de l’Univers – une autre histoire de la cosmologie. Paris, Seuil.
LIMA, Ana G. M. de. 2013 Um biografia do Kàjre, a machadinha Krahô. In: Gonçalves, J.R.; Guimarães, R.S. e Bitar, N.P. (orgs.). A alma das coisas – patrimônios, materialidade e ressonância. Rio de Janeiro, Mauad/FAPERJ, pp.180-210.
LIMA, Telma C. S. de e MIOTO, Regina C. T. Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. In: Revista Katál. Florianópolis, v. 10, numero especial, 2007: 37-45.
LI ZHI, F. e SHU XIAN, L.1994. A criação do universo. Lisboa, Gradiva.
MCCRAKEN, Grant. 2003. Cultura e Consumo. Novas abordagens ao caráter simbólico dos bens e atividades de consumo. Rio de Janeiro: Mauad.
MERLEAU-PONTY, J. 1971. Cosmología del siglo XX – estúdio epistemológico e histórico de las teorías de la cosmología contemporánea. Madrid, Gredos.
MIGLIEVICH-RIBEIRO, A. 2014. Por uma razão decolonial. Desafios ético-político-epistemológicos à cosmovisão moderna. Civitas, Porto Alegre, v. 14, n. 1, jan/abr: 66-80.
MIGNOLO, W. D. and ESCOBAR, A. 2013. Globalization ant the Decolonial Option. London, Routledge.
MILLER, D. 2013. Trecos, troços e coisas: estudos antropológicos sobre cultura material. Rio de Janeiro: Zahar.
MORIN, E. 1994. Ciência com consciência. Mira-Sintra, Europa-América.
MUSSA, A. 2009. Meu destino é ser onça – mito Tupinambá recuperado. Rio de Janeiro, Record.
NAZARENO, E. e CARDOSO, Ludimila E. 2013. Crítica do dualismo ontológico racionalista ocidental a partir da decolonialidade e da enación. Fragmentos de cultura, Goiânia, v. 23, n. 3, jul/set: 245-254.
NICHOLSON, S. 1998. O Cosmo Vivo. In: NICHOLSON, S. e ROSEN, B. A vida oculta de Gaia: a inteligência invisível da terra. São Paulo, Gaia.
NOVELLO, M. 2006. O que é Cosmologia? A revolução do pensamento cosmológico. Rio de Janeiro, Jorge Zahar.
OLSEN, B. et al. 2012. Archaeology. The discipline of things. Berkeley, Univ. of California Press.
PAGELS, Heinz R. 1970. Simetria perfeita. Lisboa, Gradiva.
PANSICA, Rafael R. 2008. Sobre o perspectivismo ameríndio e vice-versa. Dissertação de Mestrado. Florianópolis, UFSC.
POVINELLI, E. A. Do Rocks Listen? 1995.The Cultural Politics Apprehending Australian Aboriginal. American Anthropologist, New Series, Vol. 97, No. 3 ,Sep.: 505-518.
PROUS, A. e LIMA, Tania A. 2010. Os ceramistas guarani – volume III – eixos temáticos. Belo Horizonte, Superintendência do IPHAN em Minas Gerais.
QUIJANO, A. 2005. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. IN: LANDER, E. (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires, CLACSO/Colección Sur Sur, pp. 107-130.
QUIJANO, A. 1992. Colonialidad y modernindad/racionalidade. Peru Indígena, 13 (29): 11-20.
RESTREPO, E. e ROJAS, A. 2010. Inflexión decolonial: fuentes, conceptos y cuestionamentos. Popayan, Univesidad del Cauca.
ROSA, J.G. 1980. Grande Sertão: Veredas. Rio de Janeiro, José Olympio.
ROUSSEAU, J. J. 1986. Os devaneios do caminhante solitário. Brasília, Ed. Da Universidade de Brasília.
SALVADOR, Angelo D. 1986. Métodos e técnicas de pesquisa bibliográfica. Sulina, Porto Alegre.
SANSI, R. 2013. A vida oculta das pedras: historicidade e materialidade dos objetos no candomblé. In: Gonçalves, J.R.; Guimarães, R.S. e Bitar, N.P. (ogs.). A alma das coisas – patrimônios, materialidade e ressonância. Rio de Janeiro, Mauad/FAPERJ, pp. 116-129.
SANTOS, B. dos. 1995. Toward a New Common Sense: law, Science and politics in the paradigmatic transition. New York, Routledge.
SANTOS, B. dos 2010. Um discurso sobre as ciências. São Paulo, Cortez.
SANTOS, B. dos. 2006. Conhecimento prudente para uma vida decente. São Paulo, Cortez.
SANTOS-GRANERO, F. 2013. The occult live of the things. Native amazonian, theories of materiality and personhood. Tucson, Univ. Arizona Press.
SHALINS, Marshall. 2003. Cultura e razão pratica. Rio de Janeiro: Zahar.
SHEPHERD, N. 2016. La mano del arqueólogo: Ensayos 2002-2015. Popayán : Universidaddel Cauca. Sello Editorial.
SHEPHERD, N.; GNECCO, C. e HABER, A. 2015.Arqueología y decolonialidad. Buenos Aires, Del Signo.
SILVA, B.(coord.) et al. 1987. Dicionário de Ciências Sociais. Rio de Janeiro, Fundação Getúlio Vargas.
SILVA, S. B. da. 2001. Etnoarqueologia dos grafismos Kaingang: um modelo para a compreensão das sociedades Proto-Jê Meridionais. Tese de Doutorado. São Paulo, USP/FAFICH/PPG em Antropologia Social, 2001.
SILVA, S.B. 2010. Iconografia e ecologia simbólica: retratando o cosmo Guarani. In: Prous, A. e Lima, T.A. Os ceramistas tupi-guarani. Volume III – eixos temáticos. Belo Horizonte, Superintendência do IPHAN em Minas Gerais.
SILVA, S.B. da. 2013. Cosmo-ontológica Mbyá-Guarani: discutindo o estatuto de “objeto” e “recursos naturais”. In: Revista de Arqueologia, v.26, n.1: 42-54.
SILVA, V.r G. da. 2015. O antropólogo e sua magia: trabalho de campo e texto etnográfico nas pesquisas antropológicas sobre religiões afro-brasileiras. São Paulo, EDUSP.
SMOLIN, L. 1997. A vida do cosmo. São Leopoldo, UNISINOS.
SPOSITO, E. 2004. Geografia e Filosofia. Contribuição para o ensino do pensamento geográfico. São Paulo, UNESP.
SOUZA, José C. A. de. 2005.O Projeto da Modernidade. Brasília, Liber Libro Ed.
SOUZA, Ronaldo E. de. 2004. Introdução à Cosmologia. São Paulo, EDUSP
STALLYBRASS, P. 2008. O Casaco de Marx. Belo Horizonte: Autentica Editora.
STRATHERN. M. 2014. O efeito etnográfico e outras histórias. São Paulo, Cosac Naify.
TEMPAS, Martin C. 2012 A doce cosmologia Mbyá-Guarani: uma etnografia de saberes e sabores. Curitiba, Appris.
TERRÉ-FORNIACCIARI, D. s.d. As sereias do irracional. Lisboa, Instituto Piaget.
THOMAS, J. 2002. Archaeology and Modernity. Londres: Routledge.
TILLEY, C. (Editor). 1990. Reading Material Culture: Structuralism, Hermeneutics and Post-Structuralism. Cambridge, Basil Blackwell Ltd.
TILLEY, C.. meta archaeology project. On Modernity and Archaeological Discourse. Encontrado em: http://archaeology.kiev.ua/meta/tilley.html.
TILLEY, C. et al. 2010. Handbook of Material Culture.Los Angeles, Sage Publications Ltd, 2010.
TOCCHETTO, F. B. 1996. Possibilidades de interpretação do conteúdo simbólico da arte gráfica guarani. Revista do Museu de Arqueologia e Etnografia, São Paulo, v.6: 33-45.
TORRANCE, Robert M. 1994. The spiritual quest. Transcendence in myth, religion and science. Berkeley, Univ. California Press.
UNKEL, Curt N.1987. As lendas da criação e destruição do mundo como fundamentos da religião dos Apapocúva-Guarani. São Paulo, Hucitec.
VAN VELTHEN, Lucia H. 2003. O Belo é a Fera. Lisboa, Assirio Alvim.
VIDEIRA, A.P.-2000- Para que servem as definições. In: Nino El-Hani, C. e Videira, A.P. “O que é vida?”- para entender a Biologia do século XXI. Rio de Janeiro, Relume Dumará, pp. 17-29.
VILAÇA, A. 1992. Comendo como gente. Formas do canibalismo Wari. Rio de Janeiro, UFRJ.
VIVEIROS DE CASTRO, E. 1986. Araweté – os deuses canibais. Rio de Janeiro, Jorge Zahar.
VIVEIROS DE CASTRO, E. 2002a. A inconstância da alma selvagem – e outros ensaios de antropologia. São Paulo, Cosac Naify.
VIVEIROS DE CASTRO, E. 2002b. O nativo relativo. Mana, vol., n. 1: 113-148.
VIVEIROS DE CASTRO, E. 2015. Metafísicas canibais – elementos para uma antropologia pós-estrutural. São Paulo, Cosac Naify.
WALSH, C. 2009. Interculturalidad, Estado, Sociedade: luchas (de)coloniales de nuestra época. Quito, Universidad Andina Simón Bolivar/Ediciones Abya-Yala.
YAMÃ, Y.2007. Sehaypõri. O livro sagrado do povo Saterá-Mawé. São Paulo, Peirópolis.
Publicado
2017-07-03
Como Citar
REIS, Jose Alberione dos. Há uma condição de possibilidade de diálogo entre regimes de conversação e regimes de conhecimentos. Revista de Arqueologia, [S.l.], v. 30, n. 1, p. 120-143, jul. 2017. ISSN 1982-1999. Disponível em: <http://www.revista.sabnet.com.br/revista/index.php/SAB/article/view/516>. Acesso em: 24 nov. 2017. doi: https://doi.org/10.24885/sab.v30i1.516.
Seção
Artigos