"Haja hoje p/ tanto hontem"

Apontamento sobre a Arqueologia e o contemporâneo

  • Felipe Benites Tramasoli Museu Nacional/UFRJ

Resumo

A Arqueologia, cada vez mais, está sujeita a problemáticas relacionadas a circunstâncias presentes em razão das contestações de que o passado não constitui uma unidade analítica precedente e alheia à nossa realidade atual. No entanto, a resistência em admitirem-se pesquisas dessa natureza em prol da manutenção do dogma de que a Arqueologia se ocupa dos vestígios de um passado distante, ainda, fomenta certa incredulidade em alguns colegas e oferece um falso subsídio argumentativo aos que defendem tal posição institucional. Portanto, neste artigo, faço algumas considerações acerca dessa questão e uma defesa de pesquisas arqueológicas que tenham uma circunstância presente enquanto problemática tendo como exemplo a minha dissertação de mestrado.

Referências

ADESINA, J. O. 2008. Archie Mafeje and the pursuit of endogeny: Against alterity and extroversion. Africa Development, Volume XXXIII, pp. 133-152.
ANDRADE, C. D. d. 2012. Antologia poética. São Paulo: Companhia das Letras.
ARENDT, H. 1997. Entre o passado e o Futuro. São Paulo: Editora Perspectiva.
BAILEY, D. 2014. Art//Archaeology//Art: Letting-Go Beyond. In: RUSSEL, I. A. & COCHRANE, A. (ed.). Art and Archaeology: collaborations, conversations, criticisms. New York: Springer, pp. 231-250.
BELCHIOR. 1976. Antes do fim. Alucinação. São Paulo: PolyGram.
BORGES, A. et al. 2015. Pós-Antropologia: as críticas de Archie Majefe ao conceito de alteridade e sua proposta de uma ontologia combativa. Revista Sociedade e Estado, pp. 347-369.
BORGHETTI, J. C. d. L. 2011. Precedentes do urbanismo e da arquitetura do Rio Grande. In: SCHIAVON, C. G. B., SENNA, A. K. d. & SILVA, R. d. C. P. d. (ed.). Sul do Sul: memória, patrimônio e identidade - presença luso-açoriana em Rio Grande. Porto Alegre: EST Edições, pp. 46-68.
BRUNEAU, P. & BALUT, P.-Y. 1997. Artistique et Archéologie. Paris: Presses de l'université Paris-Sorbonne.
BUCHLI, V. & LUCAS, G. 2001a. The absent present: archaeologies of the contemporary past. In: BUCHLI, V. & LUCAS, G. (ed.). Archaeologies of the Contemporary Past. London: Routledge, pp. 3-18.
BUCHLI, V. & LUCAS, G. 2001b. Presencing absence. In: BUCHLI, V. & LUCAS, G. (ed.). Archaeologies of the Contemporary Past. London: Routledge, pp. 171-174.
CONNERTON, P. 2009. How Modernity Forgets. New York: Cambridge University Press.
DA MATTA, R. 1978. O ofício de etnólogo, ou como ter anthopological blues. Boletim do Museu Nacional, pp. 1-12.
DEETZ, J. 1996. In Small Things Forgotten: an archaeology of early American life. New York: Anchor Books.
FERREIRA, B. R. 2007. Faço um filme da cidade sob a lente do meu olho: ensaios sobre fotografia, paisagem urbana e ruínas.. Monografia de conclusão de curso. Rio Grande, Universidade Federal do Rio Grande.
FOUCAULT, M. 2016. A Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária.
FUNARI, P. P. A. 2003. Arqueologia. São Paulo: Editora Contexto.
GALEANO, E. 2004. Patas arriba: la escuela del mundo al revés. Ciudad de Mexico: Siglo XXI editores.
GNECCO, C. 2016. Digging alternative archaeologies. In: GONZÁLEZ-RUIBAL, A (ed.). Reclaiming archaeology. Beyond the tropes of modernity. New York: Routledge, pp. 67-78.
GONZÁLEZ-RUIBAL, A. 2016. Ethnoarchaeology or simply archaeology? World Archaeology. Disponível em http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/00438243.2016.1209125?journalCode=rwar20, acessado em 27 de março de 2017.
GONZÁLEZ-RUIBAL, A. 2008. Time to destroy. An archaeology of supermodernity. Current Anthropology, Volume 49(2), pp. 247-279.
GONZÁLEZ-RUIBAL, A. 2013. Reclaiming Archaeology. In: GONZÁLEZ-RUIBAL, A. (ed.) Reclaiming archaeology. Beyond the tropes of modernity. New York: Routledge, pp. 1-29.
GOULD, R., 1989. Etnoarchaeology and the past: our search for the "real thing". Fennoscandia archaeologica, Volume Vi, pp. 3-22.
HARRISON, R. & SCHOFIELD, J. 2010. After Modernity: archaeological approaches to the contemporary past. New York: Oxford University Press.
HARVEY, D. 2012. O direito à cidade. Lutas Sociais, Volume jul./dez., pp. 73-89.
HELLER, E. 2013. A psicologia das cores: como as cores afetam a emoção e a razão. São Paulo: Gustavo Gili.
LAPLANTINE, F. 2003. Aprender antropologia. São Paulo: Brasiliense.
LE GOFF, J. 2000. História e Memória - II Memória. Lisboa: Edições 70.
LEFEBVRE, H. 2001. O direito à cidade. São Paulo: Centauro.
LEMINSKI, P. 2013. Toda Poesia. São Paulo: Companhia das Letras.
MARTINS, S. F. 2006. Cidade do Rio Grande: industrialização e urbanidade (1873-1990). Rio Grande: Editora da FURG.
MCGUIRE, R. H. 2008. Archaeology as a political action. Los Angeles: University of California Press.
MYERS, A. 2011. Contemporary Archaeology in Transit: The Artifacts of a 1991 Van. International Journal of Historical Archaeology, Volume 15, pp. 138-161.
OLIVIER, L. 2013. Time. In: GRAVES-BROWN, P., HARRISON, R. & PICCINI, A. (ed.). The Oxford handbook of the Archaeology of the Contemporary World. Oxford: Oxford University Press, pp. 167-177.
OLIVIER, L. 2016. The business of archaeology is the present. In: GONZÁLEZ-RUIBAL, A. (ed.). Reclaiming archaeology. Beyond the tropes of modernity. New York: Routledge, pp. 117-129.
OLSEN, B. 2010. In defense of things: Archaeolog and the ontology of objects. Lanham: AltaMira Press.
OLSEN, B. 2012. Symmetrical Archaeology. In: HODDER, I. (ed.). Archaeological Theory Today. Cambridge: Polity, pp. 208-228.
OLSEN, B. 2016. The return of what? In: GONZÁLEZ-RUIBAL, A. (ed.). Reclaiming archaeology. Beyond the tropes of modernity. New York: Routledge, pp. 289-297.
OLSEN, B., SHANKS, M., WEBMOOR, T. & WITMORE, C. 2012. Archaeology: the discipline of things. Berkeley: University of California Press.
PÉTURSDÓTTIR, Þ. & OLSEN, B. 2014. An archaeology of ruins. In: OLSEN, B. & PÉTURSDÓTTIR, Þ. (ed.). Ruin Memories: materialities, aesthetics and the archaeology of the recent past. Oxon: Routledge, pp. 3-30.
PLATÃO. 2001. Teeteto. Belém: Editora Universitária UFPA.
QUINTANA, M. 2008. 80 anos de poesia. São Paulo: Editora Globo.
REIS, J. A. d. 2010. "Não pensa muito que dói": um palimpsesto sobre teoria na arqueologia brasileira. Porto Alegre: EDIPUCRS.
RICOEUR, P. 2010. Tempo e narrativa: a intriga e a narrativa histórica. São Paulo: Martins Fontes.
SARAMAGO, J. 1995. Ensaio sobre a Cegueira. Lisboa: Editorial Caminho.
SCHIFFER, M. B. 1972. Archaeological Context and Systemic Context. American Antiquity, Volume 37, pp. 156-165.
SCHNAPP, A. 1997. Une Archéologie du passé récent? Paris: Maison des Sciences de l'Homme.
SHANKS, M. 2007. Symmetrical archaeology. World Archaeology, Volume 39, pp. 589-596.
THIESEN, B. V. 2009. Invisibilidade, memória e poder: a identidade imigrante e a construção da paisagem da cidade - Rio Grande (RS). MÉTIS: história e cultura, 8(jul./dez.), pp. 143-155.
THIESEN, B. V. 2013. Antes da poeira baixar: reflexões sobre uma arqueologia do passado recente. Memorare, Volume 1, pp. 222-226.
THIESEN, B. V. et al. 2014. Vestígios de uma ausência: uma arqueologia da repressão. Revista de Arqueologia Pública, Volume 10, pp. 231-250.
THOMAS, J., 2004. Archaeology and modernity. London: Routledge.
TRAMASOLI, F. B. 2015. Arqueologia da Cidade Cinza: paisagem e discurso na cidade do Rio Grande. Rio de Janeiro: Dissertação de Mestrado. Rio de Janeiro, Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro.
TRENTMANN, F. 2009. Materiality in the Future of History: Things, Practices, and Politics. Journal of British Studies, Volume 48, pp. 283-307.
TRIGGER, B. G. 2004. História do Pensamento Arqueológico. São Paulo: Odysseus Editora.
VELHO, G. 1981. Observando o familiar. Em: G. VELHO, ed. Individualismo e cultura: notas para uma antropologia da sociedade contemporânea. Rio de Janeiro: Zahar, pp. 122-132.
WHITMAN, W. 1990. Leaves of Grass. Oxford: Oxford University Press.
WOOLF, V. 2013. Ao farol - To the lighthouse. Edição bilíngüe português/inglês. São Paulo: Landmark.
Publicado
2017-07-03
Como Citar
TRAMASOLI, Felipe Benites. "Haja hoje p/ tanto hontem". Revista de Arqueologia, [S.l.], v. 30, n. 1, p. 186-209, jul. 2017. ISSN 1982-1999. Disponível em: <http://www.revista.sabnet.com.br/revista/index.php/SAB/article/view/518>. Acesso em: 24 nov. 2017. doi: https://doi.org/10.24885/sab.v30i1.518.
Seção
Artigos