Construindo “memórias materiais” da ditadura militar

a arqueologia da repressão e da resistência no Brasil

  • Caroline Murta Lemos

Resumo

A ditadura militar no Brasil (1964-1985) foi marcada pela redução da liberdade e dos direitos civis da população e pela violência institucionalizada, retratada nos dados escandalosos dos crimes humanitários cometidos nesse período. No entanto, como Funari e Zarankin já alertaram, tantos anos de repressão e violência política foram simplesmente apagados da memória coletiva com um hiato nos livros de História Oficial. Pensando nisso, este trabalho tem como objetivo discutir o papel que a Arqueologia da Repressão e da Resistência pode desempenhar, no Brasil, na construção de histórias relacionadas a esse período que, excluídas do discurso oficial, ganham voz por meio das “memórias materiais”.

Referências

ALVES, C. & BRANDO, N. 2013. Ditadura, direitos humanos, arquivos e educação a partir do patrimônio: documentar a ditadura para que(m). In: STAMPA, I. & NETTO, R. (Orgs.). Arquivos da repressão e da resistência: comunicações do I Seminário Internacional Documentar a Ditadura. Rio de Janeiro, Arquivo Nacional – Centro de Referência Memórias Reveladas, pp.120-137.

ANJOS, G. 2012. A arqueologia da repressão no contexto das ditaduras militares da Argentina, Uruguai e Brasil. Revista de Arqueologia Pública, Campinas, 5:79-92.

BARRETA, J. 2014. Arqueologia da repressão e da resistência e suas contribuições na construção de memórias. Revista de Arqueologia Pública, Campinas, 10:76-89.

BERGGREN, A. & HODDER, I. 2003. Social practice, method and some problems of field archaeology. American Antiquity, v. 68, n. 3:421-434.

BRASIL, Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos. 2007. Direito à Memória e à Verdade: Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos. Brasília, Secretaria Especial dos Direitos Humanos. 400pp.

BRASIL, Comissão Nacional da Verdade. 2014a. Relatório da Comissão Nacional da Verdade. v. I. Brasília-DF, CNV. 976pp.

BRASIL, Comissão Nacional da Verdade. 2014b. Relatório preliminar de pesquisa centros clandestinos de violação de direitos humanos. Brasília-DF, CNV. 54pp.

BRASIL, Comissão Nacional da Verdade. 2014c. Relatório da Comissão Nacional da Verdade. v. II. Brasília-DF, CNV. 416pp.

BRASIL: NUNCA MAIS. 1985. Projeto A. Tomo V. v. I. São Paulo, Arquidiocese de São Paulo. 999pp.

CEIA, E. 2013. A Jurisprudência da Corte Interamericana de Direitos Humanos e o desenvolvimento da proteção dos Direitos Humanos no Brasil. Rio de Janeiro, R. EMERJ. v. 16, n. 61, pp.113-152.

CODATO, A. 2005. Uma história política da transição brasileira: da ditadura militar à democracia. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, 25:83-106.

COSTA, E. & TAKAHAMA, S. 2015. Impeachment e Intervenção Militar – Similitudes que marcam a história recente de um país redemocratizado há 50 anos. Recôncavo: Revista de História da UNIABEU, v. 5. n. 9:31-71.

DODGE, R. (Coor. e Org.). 2014. Grupo de trabalho justiça de transição: atividades de persecução penal desenvolvidas pelo Ministério Público Federal: 2011-2013. Brasília, MPF/2ª CCR. 262pp.

FERRAZ, J. & SCARPELLI, C. 2006. Ditadura Militar no Brasil: Desafios da Memória e do Patrimônio. XIII Encontro de História Anpuh-Rio, Rio de Janeiro. 9pp.

FERRAZ, J. & SCARPELLI, C. 2008. A Memória da Ditadura Brasileira enquanto Patrimônio Cultural. 26ª Reunião Brasileira de Antropologia, Porto Seguro. 13pp.

FERREIRA, L. 2008a. Patrimônio, Pós-Colonialismo e Repatriação Arqueológica. Ponta de Lança. Ponta de Lança, São Cristóvão. v. 1. n. 2:37-62.

FERREIRA, L. 2008b. Sob fogo cruzado: Arqueologia comunitária e patrimônio cultural. Revista de Arqueologia Pública, Campinas, 3:81-92.

FUNARI, P. 2005. Teoria e métodos na arqueologia contemporânea: o contexto da arqueologia histórica. MNEME: Revista de Humanidades, Caicó, v. 6, n.13:1-5.

FUNARI, P. & OLIVEIRA, N. 2008. A arqueologia do conflito no Brasil. In: FUNARI, P.; ZARANKIN, A. & REIS, J. (Orgs.). Arqueologia da repressão e da resistência: América Latina na era das ditaduras (décadas de 1960-1980). São Paulo, Annablume, pp.141-149.

FUNARI, P.; OLIVEIRA, N. & TAMANINI, E. 2008. Arqueologia pública no Brasil e as novas fronteiras. Praxis Archaeologica, 3:131-138.

HALBWACHS, M. 1990. A memória coletiva. São Paulo, Editora Revista dos Tribunais LTDA. 132pp.

HAMILAKIS, Y. 1999. La trahison des archéologues. Archaeological practice as intellectual activity in postmodernity. Journal of Mediterranean Archaeology, v. 12. n. 1:60-79.

HODDER, I. 2000. Developing a reflexive method in archaeology. In: HODDER, I. (Ed.). Towards Reflexive Method in Archaeology: the example of the Çatalhoyuk. Cambridge, McDonald Institute for Archaeological Research, pp.3-15.

JOHNSON, M. 2010. Postprocessual and Interpretive Archaeologies. In: JOHNSON M. Archaeological theory: An introduction. Oxford, Wiley-Blackwell, pp.102-121.

JUSTAMAND, M. & MECHI, P. 2015. Arqueologia, História e Direitos Humanos: um estudo da Guerrilha do Araguaia. Revista de Arqueologia Pública, Campinas, v. 9. n. 11:122-133.

MARTINS, S. 2016. Por que se fala tanto do golpe militar de 1964 na atual conjuntura brasileira? Relevâncias – Revista de Geografia, São Paulo, ano 1. n.1:87-107.

MECHI, P. & JUSTAMAND, M. 2014. Arqueologia em contextos de repressão e resistência: a Guerrilha do Araguaia. Revista de Arqueologia Pública, Campinas, 10:108-120.

MENESES, U. 1984. Identidade cultural e arqueologia. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro, v. 20:33-36.

MEZAROBBA, G. 2006. Um acerto de contas com o futuro – a anistia e suas conseqüências: um estudo do caso brasileiro. São Paulo, Humanitas/Fapesp. 271pp.

REIS, D. 2005. Ditadura militar, esquerdas e sociedade. Rio de Janeiro, Jorge Zahar. 49pp.

SOARES, I. 2014. Novas perspectivas para a Arqueologia da Repressão e da Resistência no Brasil depois da comissão nacional da verdade. Revista de Arqueologia Pública, Campinas, 10:177-194.

SOARES, I. & FUNARI, P. 2014. Arqueologia da resistência e direitos humanos. Evocati Revista, 103:1-7.

SOUZA, R. 2014. Arqueologia e a Guerrilha do Araguaia ou a materialidade contra a não narrativa. Revista de Arqueologia Pública, Campinas, 10:213-230.

ZARANKIN, A. 2000. El pensamiento moderno y el pensamiento posmoderno em arqueologia. In: RAGO, M. & GIMENES, R. (Orgs.). Narrar o passado, repensar a história. Campinas, SO, UNICAMP, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, pp.341-360.

ZARANKIN, A. & FUNARI, P. 2008. ‘‘Eternal Sunshine of the Spotless Mind’’: Archaeology and Construction of Memory of Military Repression in South America (1960–1980). Archaeologies: Journal of the World Archaeological Congress, v. 4, n. 2:310-327.

ZARANKIN, A. & NIRO, C. 2008. A materialização do sadismo: arqueologia da arquitetura dos Centros Clandestinos de Detenção da ditadura militar argentina (1976-83). In: FUNARI, P.; ZARANKIN, A. & REIS, J. (Orgs.). Arqueologia da repressão e da resistência na América Latina na era das ditaduras (décadas de 1960 -1980). São Paulo, Annablume. pp.183-210.

ZARANKIN, A. & SALERNO, M. 2008. Después de la tormenta. Arqueología de la represión en América Latina. Complutum, Madrid, v. 19, n. 2:21-32.

ZARANKIN, A. & SALERNO, M. 2007. El Sur Por El Sur: Una Revisión Sobre La Historia y El Desarrollo De La Arqueología Histórica En América Meridional. Vestígios, Belo Horizonte, v. 1, n. 1:15-48.

ZARANKIN, A. & SALERNO, M. 2012. “Todo está guardado en la memoria…”; Reflexiones sobre los espacios para la memoria de la dictadura en Buenos Aires (Argentina). In: ZARANKIN, A.; SALERNO, M. & PEROSINO, M. (Eds.). Historias Desaparecidas; Arqueología, violencia política y memoria. Córdoba, Brujas, pp.11-21.

ZIMMERMAN, L. 2007. Diálogos Desde El Sur. Foro Virtual: Arqueología y Descolonización. Arqueologia Sul-americana, v. 3, n. 1:3-19.
Publicado
2017-05-10
Como Citar
LEMOS, Caroline Murta. Construindo “memórias materiais” da ditadura militar. Revista de Arqueologia, [S.l.], v. 29, n. 2, p. 68-80, maio 2017. ISSN 1982-1999. Disponível em: <http://www.revista.sabnet.com.br/revista/index.php/SAB/article/view/8>. Acesso em: 24 jun. 2017. doi: https://doi.org/10.24885/sab.v29i2.8.